Skip to content

Quais os tipos de marketplace que existem para vender online?

Vender para consumidores finais, empresas e entidades governamentais envolve processos distintos que exigem uma abordagem diferenciada.

Cada segmento possui suas especificidades, desde as exigências regulatórias até as preferências de compra e é crucial que essas nuances sejam devidamente compreendidas e atendidas para o sucesso das vendas.

No artigo de hoje, vamos te mostrar quais os tipos de marketplace e suas principais especificidades, além de reforçar o conceito por trás desse estilo de negócio que vem dominando o varejo mundial na última década.

O que você irá encontrar nesse conteúdo:

O que é o modelo de negócio do marketplace?

O marketplace é uma estratégia comercial que facilita a conexão direta entre clientes e fornecedores, eliminando a necessidade de intermediários.

Esse modelo reúne uma vasta gama de produtos e serviços, com o objetivo de alcançar o maior número possível de consumidores e maximizar sua satisfação.

A principal vantagem é que ele oferece ao usuário a conveniência de encontrar uma grande variedade de produtos em um único local.

Funcionando justamente como um shopping center online, hoje em dia não faltam exemplos populares e de sucesso de marketplaces como por exemplo Amazon, Americanas, Extra, Magazine Luiza, Netshoes, Shein, Shopee e Mercado Livre.

Nessas plataformas online, os consumidores podem explorar catálogos de produtos digitais, fazer pedidos, realizar transações financeiras e acompanhar o status de suas compras, entre outros benefícios.

Importância e crescimento dos marketplaces no Brasil

Como disse antes, os marketplaces estão em uma trajetória de crescimento contínuo. De acordo com um estudo da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em 2022, o setor registrou uma expansão de 3% em comparação ao ano anterior, atingindo um volume total de vendas de R$ 135,6 bilhões.

Essa evolução evidencia a força e a relevância cada vez maior dos marketplaces no cenário do comércio eletrônico brasileiro.

Além disso, um relatório da Webshoppers revela que 84% dos lojistas que operam no ambiente online incorporam os marketplaces em suas estratégias de marketing.

Essa ampla adoção reflete a confiança dos comerciantes nessas plataformas para alcançar um público mais vasto e diversificado.

O mesmo relatório também projeta que as transações através desses marketplaces devem aumentar em 54% até 2024, sublinhando a expectativa de um crescimento acelerado e o papel crucial que esses modelos de negócio desempenharam no futuro do e-commerce.

Quais são os tipos de marketplace?

Antes de qualquer coisa, é sempre importante já distinguir de antemão que existem duas vertentes principais de canal no modelo B2C (Business to Customer, ou Empresa para Consumidor).

1. Generalistas

Os marketplaces generalistas oferecem uma ampla gama de produtos em várias categorias, desde eletrônicos até moda e itens para casa. São aqueles canais tão abrangentes que se tornam mais do que lojas virtuais, mas também assumem o papel de principal meio de pesquisa e comparação de produtos.

Eles atraem uma grande variedade de consumidores, tornando-se plataformas populares para diferentes tipos de vendedores.

Funcionam com grandes supermercados, pois trabalham com uma grande variedade de produtos e, geralmente, oferecem uma plataforma robusta e solidificada em termos de acesso e programas para os revendedores.

2. Nichados

Enquanto isso, os marketplaces nichados são plataformas especializadas que atendem a um público ou setor específico, focando em uma categoria particular de produtos ou serviços.

Eles oferecem uma experiência mais personalizada e específica em comparação com marketplaces generalistas ou de catálogo aberto.

Dafiti é um exemplo muito claro. Um canal de venda que nasceu focado em moda e vestuário, mais especificamente no conceito de smart fashion, e se mantém até hoje fiel a categoria e alcançou o status de grande player do segmento.

Contudo, nem todos os marketplaces operam no modelo B2C. Vamos explorar agora outros tipos de canais disponíveis. Confira a seguir:

3. B2B (Business to Business ou Empresa para Empresa)

No modelo B2B, em vez de uma empresa vender diretamente ao consumidor final, a transação ocorre entre duas empresas.

As compras feitas por uma empresa podem ser para reabastecimento de estoque, revenda ou para a aquisição de matérias-primas que serão usadas na fabricação de produtos finais.

Este tipo de negócio envolve complexidades adicionais em comparação ao B2C, como a possibilidade de maiores descontos devido ao volume de compra, condições de crédito específicas, e diferentes regulamentações tributárias dependendo do estado ou da natureza das empresas envolvidas.

4. C2C (Consumer to Consumer ou Consumidor para Consumidor)

O modelo C2C é caracterizado por transações diretas entre consumidores, facilitadas por uma plataforma online. Por exemplo, em sites como Mercado Livre, os usuários podem vender produtos diretamente a outros consumidores.

Embora este modelo seja tradicionalmente focado em vendas entre indivíduos, muitas empresas também utilizam essas plataformas para realizar negócios. Exemplos de marketplaces C2C incluem:

5. B2E (Business to Employee ou Empresa para Funcionário)

Quando os colaboradores de uma empresa são os consumidores finais, o modelo de negócio é chamado de B2E.

Neste tipo de marketplace, os funcionários podem acessar produtos com condições especiais, como preços reduzidos ou a opção de descontar o valor da compra diretamente da folha de pagamento.

Em alguns casos, essas condições podem ser estabelecidas por acordos sindicais.

6. B2G (Business to Government ou Empresa para Governo)

O modelo B2G envolve transações entre empresas e órgãos governamentais.

Empresas fornecedoras podem vender produtos ou prestar serviços para governos em níveis federal, estadual ou municipal.

As negociações B2G frequentemente requerem participação em processos de licitação ou contratos específicos, atendendo às regras e regulamentações rigorosas que regem as compras públicas.

Utilize um hub de integração para vender em todos tipos de marketplace

Aposto que você deve estar um pouco surpreso agora com a alta quantidade de possibilidades de negócios.

Mas saiba que existe a ferramenta hub de integração, que é um ecossistema que centraliza e facilita a comunicação entre diferentes plataformas de vendas e marketplaces, permitindo que os vendedores gerenciem todos os seus canais de venda a partir de um único ponto.

Em um cenário onde o comércio eletrônico está em constante crescimento e se diversificando, a utilização de múltiplos marketplaces é uma estratégia essencial para alcançar um público maior e diversificado.

Você também pode contar com fretes até 80% mais baratos e em uma plataforma de logística completa como a SuperFrete.

Baixe o aplicativo gratuito para seu celular

 

E se você já vende em loja virtual própria, conheça as integrações disponíveis para ter todas as vantagens SuperFrete direto no seu site:

 

 

Acompanhe todas as novidades e lançamentos da SuperFrete no Instagram, Linkedin, Twitter, Youtube, Facebook e TikTok.